Semeando leitores: a literatura infantojuvenil no Brasil - Artigos - Sala de Imprensa - Fundação Bunge
Texto

Sala de Imprensa

Semeando leitores: a literatura infantojuvenil no Brasil

Publicado em 11/05/18 às 16h30 envie a um amigoenvie para um amigo

Por Ruy Martins Altenfelder Silva

Recentemente, um estudo da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), feito a pedido da Câmara Brasileira do Livro e do Sindicado Nacional dos Editores de Livros, repercutiu a queda de 4,76% no faturamento do mercado editorial brasileiro em 2017, mas, apesar dos dados negativos, a pesquisa também nos mostrou uma perspectiva ainda positiva para o universo da literatura: os livros infantojuvenis permanecem no topo das cinco áreas temáticas que lideram a produção total de obras nacionais.

A literatura infantojuvenil sempre foi prejudicada por uma ideia reducionista, de que obras voltadas para leitores em formação devem servir apenas como ferramenta para alfabetização, complemento a conteúdos didáticos ou para oferecer lições de moral – e, ironicamente, ainda não temos espaços de leitura adequados na maioria das escolas de ensino fundamental, especialmente as públicas, uma grave falha curricular! E um livro apresentado neste contexto durante a infância, na fase crucial para iniciação da leitura, pode desestimular ao invés de despertar o interesse das crianças.

Por outro lado, temos percebido iniciativas inteligentes no setor privado que tanto aproximam as crianças dos livros, como despertam interesse dos escritores pela produção de obras para o público infantil. Ações que, certamente, têm impacto positivo em estudos como o da Fundação Instituto de Pesquisas.

Neste ano, por exemplo, a Fundação Bunge anunciou a literatura infantojuvenil como um dos temas do tradicional Prêmio Fundação Bunge, que estimula novos talentos e reconhece profissionais que contribuem para as áreas da ciência e da cultura no Brasil. A fundação também mantém o programa Semear Leitores, que implanta espaços lúdicos para leitura em várias regiões do Brasil com o objetivo de cativar as crianças a partir da liberdade de escolha, proporcionando uma leitura mais prazerosa e agradável.

Já a Fundação Itaú Social, braço do Banco Itaú no terceiro setor, criou a campanha “Leia para uma criança”, que distribui gratuitamente milhares de livros selecionados por especialistas em literatura infantil e adequados para crianças de 0 a 5 anos de idade, além de compartilhar informações que vão além do benefício da leitura no contexto da alfabetização, reforçando o impacto do livro no desenvolvimento do raciocínio e da formação intelectual e emocional das crianças.

Ideias como estas estão nos ajudando a combater o pensamento de que a literatura infantojuvenil serve para outra coisa que não à própria arte literária em si. Um bom livro infantil é a porta de entrada para o mundo da leitura e ocupa um papel tão importante quanto os livros voltados para os adultos na literatura, de uma forma geral.

E, se produzir encantamento pela linguagem, apresentar novas visões de mundo, gerar empatia e identificação com o que é humano definem grande literatura, o Brasil tem mais de um século de livros para crianças e jovens que fazem exatamente isso. Basta passar o olho pelas obras que sobrevivem ao tempo, como os Contos da Carochinha, criados no fim do século XIX pelo jornalista Figueiredo Pimentel a partir dos contos de fadas europeus, e a história do sítio encantado – em especial com uma boneca falante, irreverente e revolucionária -, criada na década de 1920 por Monteiro Lobato, que inaugurou uma literatura para crianças genuinamente nacional.

E as gerações seguintes de autores, lideradas por Tatiana Belinky e Ruth Rocha e Ziraldo, que saíram da sombra de Lobato e produziram obras absolutamente autorais, trouxeram uma riqueza de temas aos livros infantis e acrescentou um frescor estético, experimentando com palavras, ilustrações e até com o próprio objeto livro, novas e surpreendentes formas e maneiras de continuar contanto boas histórias. E produzindo grande literatura.

 * Ruy Martins Altenfelder Silva é presidente da Academia Paulista de Letras Jurídicas, presidente emérito do CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola e curador do Prêmio Fundação Bunge.

Fale com nossa assessoria

CDN Comunicação Corporativa

Fabio Souza - (11) - 3643-2813 - fabio.souza@cdn.com.br

Erick Paytl - (11) 3643-2919 - erick.paytl@cdn.com.br


Outros Artigos

16/05/18 - Serviços Ambientais e Agronegócio: pensando na sustentabilidade A aliança entre Serviços Ambientais e o Agronegócio é rica em possibilidades e deve avançar cada vez mais pensando na sustentabilidade e preservação dos ecossistemas

03/05/18 - Valor Compartilhado: empresa e comunidade A chegada de empreendimentos a determinados territórios gera uma maior pressão demográfica, maior demanda por serviços e por infraestrutura, o que, por sua vez gera uma maior pressão sobre o poder público local

31/10/17 - Diversidade como Instrumento de Competitividade e Inovação Será que a diversidade nas corporações está sendo conduzida por líderes talentosos ou geniais?

20/04/17 - Desafios globais do agronegócio: precisamos combinar com os outros times Sabemos que a produtividade agrícola sustentável é desafio urgente. Mas também, necessariamente, coletivo – o que torna o jogo bem mais complicado de ser jogado

18/04/17 - Os desafios da produção científica brasileira O desafio da ciência e de quem dedica a vida à pesquisa vai muito além da dificuldade de financiamento

13/04/17 - Entre a lei e a justiça O leitor comum, diante do noticiário político recente, sente-se testemunhando profundo embate entre os poderes de nossa República.

12/04/17 - Transformações do Direito e ativismo judicial: entre a lei e a justiça Diante da realidade política vivida pelo país, impulsionada principalmente pelas listas que nos chegam pelos noticiários, esta discussão tem ultrapassado os meios acadêmicos e jurídicos

05/09/14 - Mudanças climáticas são os novos desafios de inovação na agricultura O desenvolvimento e o uso de tecnologias agrícolas apropriadas elevou a produtividade de alimentos no mundo, de tal maneira que a fome há muito deixou de ter relação direta com a falta de produção de alimentos